Ministro Luis Barroso cita campanha Aner contra desinformação e fake news em sessão plenária no STF

Ministro Luis Barroso cita campanha Aner contra desinformação e fake news em sessão plenária no STF

26 de junho de 2024
Última atualização: 28 de junho de 2024
4min
ministro luis roberto barroso homem branco de cabelos grisalohs e vestindo toga, mostra, no plenário do STF, a campanha contra fake news nosso lado é o da informação da Aner
O ministro parabenizou a Aner pelas inciativas e, em especial, pela campanha. Foto Divulgação STF
Márcia Miranda

A Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) foi citada nesta quarta-feira, 26 de junho, pelo ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ),  no plenário da Casa, por conta da campanha contra a desinformação ‘Nosso lado é o da Informação’.

A campanha, criada pela Aner e desenvolvida em parceria com a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Associação Nacional de Jornais (ANJ), Projeto Comprova e Instituto Palavra Aberta, é composta por cards e vídeos que estimulam o público a verificar as mensagens antes de repassar, para evitar o pânico e a desinformação na situação de crise que o Rio Grande do Sul enfrenta.

Depois de ler todas as frases da campanha, uma a uma, o ministro parabenizou a iniciativa.

“Muito boa a campanha, muito bons esses cards. Eu cumprimento a Associação Nacional de Editores de Revistas”, disse o ministro (veja vídeo aqui).

Veja fotos do encontro em nosso Flickr

Associe-se à Aner! Clique aqui e saiba como.

Trabalho foi iniciado em maio, para colaborar com a imprensa no Rio Grande do Sul

O trabalho foi iniciado pela Aner e parceiros no final de maio, com o objetivo de desestimular o compartilhamento de informações falsas na tragédia do Rio Grande do Sul. Desde então, os cards com frases educativas estão no ar nas redes sociais da Aner e dos parceiros e apoiadores. Com o tempo, vieram novos participantes, como o Supremo Tribunal Federal, o Meio&Mensagem e a agência Alright, dedicada ao desenvolvimento de veículos de notícias locais.

Também participam da campanha as jornalistas Luisa Alcantara e Silva; Talita Burbulhan, do Estadão; e Bruna Bruna Buffara, do Canal Meio.

“Estamos vendo o desenrolar da crise de comunicação, no Sul, com instituições sérias de jornalismo operando em situação precária e tendo dificuldade para combater fake news e desinformação. Precisamos colaborar de alguma forma para que o público entenda a responsabilidade de repassar os boatos sem checagem”, explicou a diretora-executiva da Aner, Regina Bucco, no lançamento da campanha. 

Além da campanha, playbook para jornalistas sobre o STF

Na mesma visita, o presidente da Aner, Rafael Soriano e a diretora-executiva Regina Bucco entregaram ao ministro a primeira versão de um playbook de perguntas e respostas que vai colaborar para que os jornalistas que cobrem pautas sobre a Corte possam entender melhor como funcionam os trâmites processuais.

O manual foi criado pela Aner, sob a coordenação de Regina, em parceria com as secretarias de Comunicação Social e de Relações com a Sociedade, do STF.

O objetivo é ampliar a capacitação dos jornalistas, para que as matérias publicadas na imprensa traduzam a realidade dos ritos processuais e consigam levar ao público o que está acontecendo na Casa.

“O país nunca precisou tanto de uma imprensa profissional, livre e independente. O melhor antídoto contra a desinformação, a mentira deliberada e os discursos de ódio é a informação correta, apurada com profissionalismo e ética pelo jornalismo de qualidade”, diz o ministro, no prefácio do manual.

Assine a Newsletter Aner! Direto em seu emailWhatsApp ou Telegram,! Clique e assine gratuitamente! 

Playbook estará em constante aprimoramento

Esta foi a primeira versão do playbook, que pretende ser uma obra em constante evolução, com o acréscimo de novas perguntas.

“Para a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) é uma grande satisfação participar da criação deste projeto ao lado de uma instituição como o Supremo Tribunal Federal (STF). Não só pela importância da Corte, mas pela conformidade de objetivos das duas instituições em avançar pela modernização de processos, por tornar mais claras as relações entre a sociedade, a imprensa e o Poder Público”, disse Rafael.

Márcia Miranda
Administrator